fbpx

Endometriose

  • 21 de fevereiro de 2019
  • por: Dr.ª Thaysa Greve

Todo mês os ovários produzem hormônios que estimulam o endométrio, mucosa que reveste o útero internamente, a crescer e se preparar para a chegada de um óvulo fertilizado.
Se esta mucosa crescer para fora do útero, teremos a endometriose.
A sua causa ainda não é clara, mas existem algumas possibilidades como:
✔️Menstruação retrógrada: Quando o sangue menstrual retorna pelas trompas para dentro do abdômen, ao invés de sair do corpo.
✔️Crescimento anormal de células abdominais e pélvicas.
✔️Deficiência do sistema imunológico em destruir células anormais.
✔️Outras causas como: células de endométrio que podem alterar sua localização após uma cirurgia ou que são transportadas pelo sistema linfático para outros locais fora do útero.
O sintoma mais comum é a cólica, que pode aparecer somente no período menstrual ou aumentar durante uma a duas semana antes dele de forma cíclica. No entanto, a dor pode estar presente em outras situações, como na relação sexual e ao urinar ou evacuar.
Outros sintomas também podem aparecer como: sangramento excessivo durante os ciclos menstruais, cansaço e náuseas.
A intensidade da dor não está relacionada com a extensão do problema. Existem pacientes com grau leve de endometriose e que sentem muita dor. Assim como existem pacientes com grau elevado e que não tem dor ou tem pouca dor.
O diagnóstico é feito por um médico ginecologista e inclui a realização de exames como: ressonância magnética, ultra-som, exame pélvico e, em alguns casos, laparoscopia.
Como opção de tratamento em fisioterapia temos a osteopatia e outras metodologias de tratamento manual, com excelentes resultados.
Toda vez que a mulher ovula ou menstrua necessita da mobilidade e contração do útero e dos ovários. Isto também ocorre com o intestino, durante a digestão, e no período menstrual devido à proximidade entre as estruturas.
Quando há endometriose, as aderências geradas por ela, impedem a adequada movimentação visceral, gerando dores.
Através de técnicas manuais suaves é possível estimular a mobilidade adequada destes órgãos e a reorganização da estrutura das aderências, permitindo que útero, ovários e intestinos se movimentem melhor, o que diminui consideravelmente a dor.
Além disso, a mobilização da coluna lombar e sacral também gera benefícios para a vascularização e inervação de útero e ovários.
O trabalho sobre o crânio e igualmente importante, pois influencia no equilíbrio da glândula hipófise, responsável por liberar hormônios que estimulam tireoide, útero e ovários.
Ainda há outras técnicas e estimulações que podem ser realizadas para a melhora da endometriose, dentro da fisioterapia.
Existem outras possibilidades além do tratamento medicamentoso e cirúrgico.
Converse com um bom fisioterapeuta.

Dra Thaysa Greve

Fisioterapeuta

CREFITO 3/120328

Referência: sbed.org.br/home/publicações/endometriose